ADE Granfpolis completa um ano de atuação

ADE Granfpolis completa um ano de atuação

Após um ano de atuação, o Arranjo de Desenvolvimento da Educação da Região da Grande Florianópolis já apresenta evoluções e avanços importantes para os envolvidos.

O assessor de educação da Granfpolis, Antão Antônio David, registra que está mais do que satisfatória a participação dos 22 municípios no processo do ADE. “Promovemos uma verdadeira revolução nas administrações municipais na área da educação”, registrou.

Com o objetivo de promover a melhoria dos índices da educação, o ADE foi implantado de forma pioneira por intermédio de parceria entre a Associação dos Municípios da Região da Grande Florianópolis e o Instituto Positivo. “Estamos trabalhando a gestão nos municípios”, afirmou Antão, para quem o programa já apresenta avanços significativos.

Após as eleições, a previsão é que as assessorias de Educação e de Projetos Especiais da Granfpolis, bem como os técnicos do Instituto Positivo, percorram os 22 municípios para contatar os prefeitos eleitos e os reeleitos para reafirmar o compromisso e o empenho de todos.

Eliziane Gorniak, diretora do Instituto Positivo, lembra que tudo começou com um grande diagnóstico territorial sobre o contexto dos municípios, em especial na área da educação. A partir deste diagnóstico foram estabelecidas quatro metas.

A meta 1 refere-se a aplicação do sistema de avaliação. “Conseguimos parceiros importantes para este trabalho complexo. Esta avaliação será aplicada em setembro para identificar quais são as fragilidades no aprendizado dos nossos alunos”, disse.

A meta 2 está relacionada a distorção idade/ano. A região tem um índice relativamente alto de distorção e, para trabalhar nisso, é necessário identificar as causas e atacá-las para evitar o processo cíclico que acaba com reflexos no ensino médio, com muitos alunos não conseguindo concluir os seus estudos.

Além de grandes parceiros que já estão apostando no programa, a dirigente do Instituto Positivo destaca o alto grau de participação dos secretários e técnicos da região, segundo ela, verdadeiramente engajados. “Temos discussão com o Banco Interamericano, Movimento Todos pela Educação, Ministério da Educação e Secretaria de Estado da Educação. Os avanços se refletem na qualificação das discussões sobre como podemos avançar a qualidade e o acesso da educação na Grande Florianópolis”, frisou.

A terceira meta refere-se a implantação de 1/3 da hora atividade, garantida por lei. Como implantá-la da melhor maneira para que os professores, quando estiverem usufruindo deste benefício, estejam pensando e produzindo uma melhor educação para os seus alunos.

A quarta meta trata da estruturação das secretarias municipais de educação, de melhores práticas de funcionamento das mesmas, a ser desenvolvida no próximo ano.

O ADE é de médio e longo prazo a partir da adoção de pequenos passos já forem dados desde já. Para Eliziane, trata-se de um trabalho extenso de implantação que, após a avaliação territorial, teremos o grande esforço. “Depois que identificamos onde estão os alunos, as escolas que estão tendo alguma dificuldade para fazer com que estes alunos avancem, teremos que criar uma série de estratégias para a promoção da aprendizagem e de ações pedagógicas e administrativas”, concluiu.